quarta-feira, 30 de novembro de 2011

HÁ EVIDÊNCIAS DE UM ENCONTRO ENTRE MARX E KARDEC?

Refiro-me a um encontro pessoal entre eles.
Encontro ideológico até existe e seria passível de uma discussão interminável.
No meu tempo de mocidade, lá por 1970, alguém aventou a possibilidade de Marx ser o Sr. M..., referido por Kardec em um texto publicado em Obras Póstumas, com o título de "Primeira revelação da minha missão", e relativo a uma sessão na casa do Sr. Roustan, sendo médium a Srta Japhet, em 30 de abril de 1856, realimentado em uma sessão de 12 de maio do mesmo ano, desta vez na casa do Sr. Baudin. Vão na prateleira buscar o livro, abram na página 277 da edição FEB, e acompanhem o que digo.
Depois de uma breve pesquisa concluímos, na mocidade, que não haviam evidências históricas; ao contrário, haviam sim muitos indícios da impossibilidade do encontro; e não se falou mais nisso.
Agora, vi no youtube um vídeo de certo cidadão afirmando categoricamente tal encontro, e ainda jactando-se de ser o primeiro a encontrar as evidências lá em Paris e revelar tal novidade ao povo brasileiro. Como decepcionante confirmação, apenas cita o que o Leymarie publicou nas Obras Póstumas em 1890, conhecido de nossa gente desde que o Guillon Ribeiro o traduziu há muitas décadas.
Vamos aos fatos históricos. Em 1856 Marx morava em Londres, tinha enormes dificuldades para manter-se, a si e a à família, o fazia com a ajuda de seu amigo Engels e com bicos a jornais, além de sofrer enormemente com a saúde abalada, o que dificultaria qualquer viagem, ainda mais para o outro lado do canal. Ele havia sido expulso de Paris em 1845; foi viver em Bruxelas, na Bélgica, de onde foi expulso em 1848; voltando à Alemanha de onde foi expulso em 1849; tentou voltar a Paris mas o governo francês o impediu de fixar-se ali; então, no mesmo ano, com a ajuda de amigos, rumou para o exílio definitivo em Londres. Era, a esta altura, já um lider comunista bastante conhecido, não passaria, portanto, incógnito em Paris em 1856, onde poderia ser até preso pela ditadura de Napoleão III.
Vejamos alguns traços do perfil do Sr. M..., traçados por Kardec:. "O Sr. M..., que assistia àquela reunião, era um moço de opiniões radicalíssimas, envolvido nos negócios políticos e obrigado a não se colocar em evidência. Acreditando que se tratava de uma próxima subversão, aprestou-se a tomar parte nela e a combinar planos de reforma. Era, aliás, homem brando e inofensivo". Alguma coisa até poderia bater com Marx; mas nunca o "homem brando e inofensivo". Muito menos seria ele alguém que precisasse de conversa com espíritos para "acreditar em alguma subversão e aprestar-se a tomar parte". Àquela altura, ele e Engels já haviam lançado o manifesto comunista e fundado a Liga dos Comunistas; portanto, eles faziam as subversões, não apenas "tomavam parte nelas". Prá completar, na sessão do dia 12 de maio, o próprio Espírito Verdade teria dito sobre o Sr. M...: "Muito ruído. Ele tem boas idéias; é homem de ação, mas não é uma cabeça". Marx, por seu lado, era a principal cabeça do socialismo científico que, naquela época e em quase todas as instâncias, substituía o socialismo utópico dos quais muitos adeptos integravam a equipe de Kardec.
Pode até ser que o moço do youtube tenha razão. Eu não creio; só vejo nisso o nosso afoito pesquisador criando uma história a partir de uma simples inicial.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

A DEMOCRATIZAÇAO DA PRÁTICA MEDIÚNICA

A mediunidade está na base de todas as religiões. De uma forma ou de outra, todas elas tiveram seu início com alguém entrando no tal "estado alterado de consciência" e recebendo uma revelação de um ser espiritual, quer o chamemos de deus, de deusa ou de espíritos, e sejam estes "dos mortos" ou "da natureza". A partir dai, cria-se uma religião em torno da revelação, com seus mistérios, seus rituais, seus mestres e, principalmente, seu mercado. Os interessados são apresentados a uma série de exigências para iniciação e acesso àquela pretensa verdade; exigências que lhes custam tempo, dinheiro e submissão. O investimento em tempo sempre será necessário; mas, em dinheiro e submissão a templos e gurus pode se dispensado. Nossa sociedade e mesmo nossa evolução individual caminha para uma situação de independência; de certeza na igualdade de direitos e possibilidades de todas as pessoas. Portanto, dispense intermediários. Encontre você mesmo seu deus, sua deusa, seus deuses, seus espíritos guias, seus duendes, gnomos, et's, ou simplesmente mergulhe num oceano interior indevassado. Desenvolva sua mediunidade sem necessidade de alucinógenos nem de mistérios avaros protegidos por qualquer seita.
Como?
Reúnam um grupo que esteja a fim; e, de preferência, que seja afim. Se não forem afins, que ao menos estejam a fim. Qualquer número; mas, pensemos, por exemplo, em uma dúzia de pessoas. Escolham um local, estabeleçam um dia na semana e uma hora determinada para a reunião. Como eu já disse, tempo é necessário. Nessas reuniões estudem a vasta literatura disponível sobre a mediunidade, para conhecerem o terreno em que pisam, os mecanismos envolvidos e os possíveis inconvenientes. Mas, ao lado desse estudo teórico, iniciem a prática. Comecem com exercícios simples de concentração e vão, ao longo das semanas, aumentando-os em duração e complexidade. A prática da concentração também pode ser orientada pela literatura a respeito, onde sobejam exercícios de relaxamento e abstração. As reuniões podem começar com uma prece, ou uma leitura agradável; podem ter música suave ao fundo. Após os estudos teóricos, parte-se para a prática, onde se experimenta uns cinco minutos de concentração, que em algumas semanas será estendido para dez, depois para quinze, e, assim, sucessivamente, até uma duração de uns noventa minutos, mais ou menos, segundo os interesses do grupo. Terminado o exercício, dá-se um tempo para que as pessoas "retornem" (alguns terão "viajado" mais que outros). Assim que todos estiverem bem, cada um faz aos demais um relato do que sentiu e observou durante o exercício. Para efeito de ordem e organização, escolhe-se um dos participantes para dirigir a reunião, uma espécie de piloto ou monitor.
Todos esses passos, bem como a teoria a respeito, existem em programas pré-estabelecidos e disponibilizados gratuitamente na web. O mais popular deles é o COEM, o Centro de Orientação e Educação Mediúnica. Foi elaborado há mais de quarenta anos, pelo Centro Espírita Luz Eterna, de Curitiba, mas tem uma versão moderna, o COEM II, que pode ser encontrado para download simplesmente lançando-se esse nome no google. Para facilitar, indicamos dois sites que o disponibilizam: www.carlosparchen.net/coem2.html e pt.scribd.com/doc/61851789/1/COEMII---A-NOVA-VERSAO-CENTRO-DE-ORIENTAÇAO-E-EDUCACAO-MEDIUNICA. Mas, repito, consultem o google e encontrarão outros. Ou, se o preferirem, elaborem seus próprios programas.
Daí, meus amigos, seja com o COEM, com outro programa, ou o seu "personal program", vocês poderão fazer sua própria experiência. Ficarão sabendo se têm mediunidade, poderão decidir se isto realmente existe, se a alma sobrevive, se existem outros planos de realidade espiritual ou não.
Que acham?